Bobonaro. Terra pequena, amistosa, da qual sinto ainda o cheiro tão familiar. Não era ainda nem dez réis de gente, e todos os dias via o meu pai, com dedicação primorosa, entregar-se de corpo e alma à escola que ele próprio fundara; era um corropio de pessoas que a ele recorria para resolver todo e qualquer tipo de problema; sempre rodeado de papéis, pessoas, vidas, que pacientemente ordenava, garantindo que todos tivessem acesso a uma boa educação. Vim a descobrir que, como director e administrador, juntamente com a restante comunidade chinesa, conseguiu desenvolver um sistema de educação para TODOS, cada um contribuindo com o que podia. E, depois de tudo isto, continuava a dedicar-se, com igual primor, ao seu ganha-pão, o supermercado que possuía (a Casa Aloe, que tantos ainda decerto carinhosamente recordarão), pois tudo o que fazia na Escola era por amor e altruísmo, sem nunca esperar uma gratificação em troca (além dos sorrisos de alegria e satisfação que todos os dias recebia de quem com ele se cruzava); Talvez daqui, deste exemplo valoroso com o qual cresci, tenha nascido a minha necessidade de partilhar e contactar com a sociedade que me rodeia; talvez daqui tenha nascido esta minha vontade de ser útil, de sentir que posso fazer diferença na vida das pessoas. E esta necessidade traduziu-se no empenho com que me integrei neste projecto da Arte-Via. Passaram já sete anos, a correr, como sempre acontece com os bons momentos, desde que de uma conversa com a Dra. Ana Filomena surgiu o convite para fazer parte da Direcção de uma Cooperativa Artística e Editorial; “Arte-Via”, seria o nome. Senti um frémito de imediato, pela expectativa de fazer algo que há tanto ansiava; e ao mesmo tempo um formigueiro, um medo inerente ao desafio — “Serei eu capaz9 Timidamente, aceitei. Comecei por dirigir as aulas de Pintura Artística, e atempadamente, a convite da Dra. Ana Filomena (a quem tenho que agradecer por me sempre ter obrigado a acreditar nas minha capacidades, e a explorá-las ao máximo...), assumi o cargo de Coordenadora da UATIL. A confiança depositada em mim alimentou cada vez mais o empenho com que dedicava as minhas horas a este projecto. A UATIL foi crescendo; desde os primeiros passos, tímidos e cambaleantes; passando por algumas quedas, momentos difíceis, sempre ultrapassados; até chegar ao que é hoje: mais do que uma instituição, uma família. O sucesso é devido à relação forte que se criou entre todos nós, que nos une, professores e alunos, não só como tal, mas corno pessoas que se preocupam e entreajudam na vida escolar e quotidiana. Sinto-me abençoada por fazer parte deste grupo, que vive a Vida até ao âmago, que, como o poeta, não entram docemente na noite tranquila. Agradeço a todos com quem convivo por me mostrarem o quão bela e grandiosa pode ser a experiência de Viver! No passado dia 8 de Março, foi celebrado o dia Internacional da Mulher, neste Ano Europeu para a Igualdade; durante as cerimonias, tive o prazer de, juntamente com duas colegas e amigas, ser homenageada, pelo trabalho desenvolvido na UATIL. Aproveito agora para estender essa homenagem a todos os alunos, que foram os verdadeiros impulsionadores desta Universidade: com a sua preserverança, coragem e dedicação me proporcionaram uma preciosa lição de vida, uma lição para a Vida! Para concluir, relembro o discurso que dei nessa cerimónia, que em tanto expressa tudo o que sinto: «Abri as asas longe, levantei voo do outro lado do mundo, em Timor; com o meu marido, meu companheiro na Vida, poisei em Miranda do Corvo, e criei raízes. A minha formação como escuteira deixou bem marcado no meu coração que nos quatro cantos do Mundo, todos somos irmãos, e assim sinto aqui onde vivo. Este projecto realiza-me, e enche-me o peito de felicidade olhar em volta e ver-me rodeada de tanta gente maravilhosa, de tantos países, de tantos sítios diferentes! Hoje, enquanto recebemos os nossos parceiros Austríacos, Espanhóis, Escoceses e Alemães, é deveras gratificante deixar-nos contagiar pela sua alegria e espontaneidade, e beber graciosamente desta troca de culturas, conhecimentos e experiência! Que as asas continuem a voar, e que as raízes continuem a estender-se por novos países, por novos mundos!»

Presidente da Assembleia Geral
Nhu-Lien Tchum

Março de 2007

 

Bobonaro. Small, friendly place. To this day, I can still feel that so familiar smell. As a small child, and everyday I saw my father, in devoted concentration, deliver himself with body and soul to the school that he had created… it was an endless running about of people that came to him to solve any and every kind of problem. Always surrounded by papers, people, lives, that he patiently coordinated, he made sure that everybody had access go a good education. Some years later, I discovered that as director and administrator, together with the Chinese community, was able to develop an education system for everybody, each one contributing with what he/she could. In spite of all this work, hr continued to dedicate himself, with equal dedication, to his living, the supermarket (the Aloe House, that many still tenderly remember); everything that he did at the school was by love and altruism, never expecting a reward (besides smiles of satisfaction and joy that everyday he received from those he met). Maybe from this valorous example, this necessity to share and contact with the society that surrounds me bloomed in my soul, maybe from here was born my willingness to be useful, to feel that I can make the difference in the lives of many people. And this necessity was transformed in the commitment that I made as I embarked in this project of Arte-Via. Seven years went by, running, as it always does in good times, since that conversation with Dr. Filomena to be part of Arte-Via Cooperative. I felt a thrill immediately, by the expectation of making something I’ve always wanted to do, and at the same time a tickling, an inherent fear to the challenge — “Will I be capable?...” Shyly I accepted. I started by teaching the classes of artistic paint, and soon after I was invited by Dr. Ana Filomena (who I must thank for always making me believe in my capacities, and explore them to the fullest), to became coordinator of the UATIL. The trust in me made me proud to dedicate my time to this project. The UATIL grew up, at first in baby steps, shy and staggering, with some difficult moments, that we always overcame, until today: more than an institution, a family. The success is due to the strong ties that link both teachers and students, as people that worry and help each other in the everyday and scholar life. I feel blessed for being part of this group, who lives life to its heart, that, as the poet said, “do not go gently in to that good night”. I thank all with whom I have a healthy friendship and that have shown me, along the years, how beautiful and grandiose life can be.

In the last 8 March, the International Women’s Day was celebrated, in this European Year of Equality; during the ceremonies, I had the pleasure of, together with two colleagues and friends, being paid tribute to, for my work in UATIL. I took this opportunity to extend this tribute to all students, who were the real stimulators of this university: with their perseverance, courage and dedication gave me a precious lesson of life, a lesson for Life!
To conclude, I remember the speech that I spoke in that ceremony, that expresses so much what I feel: “I opened my wings far away, I took flight from the other side of the world, Timor; with my husband, my partner in Life, I landed in Miranda do Corvo, and created roots. My formation as scout, left in my heart that in the four corners of the world, we are all siblings, and that’s how I feel here where I live. This project fulfils me and I feel happy for looking around and see me surrounded by wonderful people, from so many countries, from so different places! Today, while we are receiving our Austrian, Spanish, Scottish and German partners, it is rewarding to let us be touched by their joy and spontaneity and drink graciously of this change of cultures, knowledge and experiences. May the wings continue to fly, and the roots continue to extend to new countries, new worlds!

Presidente da Assembleia Geral
Nhu-Lien Tchum

Março de 2007